Carnaval 2023 | Retiro Caminhada no Caminho Sagrado no sul Santa Catarina

CARNAVAL 2023
Venha saborear o Caminho Sagrado de um jeito diferente, com DErci Wotmeyer e Mhanoel Mendes.
De 17 a 24 de fevereiro de 2023.
VAGAS LIMITADAS!
Faça sua inscrição antecipada com desconto.
Mais detalhes, acesse: https://oikos.org.br/programacao/carnavoikos/ ou envie whatsApp para 48| 99836.8873

A arte de caminhar


(Por: MOACYR SCLIAR)

Desde a antiguidade movimentar o corpo ajuda as pessoas a pensar, tomar decisões e expressar indignação; na literatura artistas e apaixonados são andarilhos

A consciência da necessidade de praticar exercícios físicos é recente.

“No começo, era o pé”, diz o antropólogo Marvin Harris. O pé, não a mão. A mão nos fez humanos – mas antes de sermos humanos somos parte do reino animal, e o nosso corpo precisa atender às necessidades que os animais enfrentam, entre elas a do deslocamento.

O ser humano evoluiu, tornou-se bípede, mas continuou caminhando. E passou a usar a caminhada para outros fins que não o de chegar a um lugar específico: o de buscar determinada coisa.

Praticar exercícios físicos é algo relativamente recente, mesmo porque, no passado, o sedentarismo era a exceção antes que a regra; caçadores, agricultores, trabalhadores em geral jamais pensariam nisso. Mas muito cedo o ato de caminhar adquiriu um significado psicológico, simbólico.

O protesto político muitas vezes se fez, e ainda se faz, sob a forma de marchas, de caminhadas; foi o caso da Marcha dos 100 Mil (1968), um dos primeiros protestos organizados contra a ditadura no Brasil.

Os filósofos gregos muitas vezes ensinavam a seus discípulos caminhando. “Levanta-te, toma teu leito e anda”, diz o Evangelho (João, 5:8), ou seja, vá em busca de seu destino, de seus objetivos.

E Santo Agostinho cunhou uma expressão famosa: Solvitur ambulando, caminhar resolve (os problemas, as dúvidas). Por quê?
Continue lendo